segunda-feira, 5 de julho de 2010

Adolescente faz sexo e desencana de Crepúsculo

Sexo numa praia de cascalhos: quem aqui nunca, né amigo?
A estudante Mayara Cinnamon*, 17, está vivenciando um misto de excitamento e desilusão. Fã da saga Crepúsculo desde o primeiro filme, viu suas convicções desabarem após uma noite de sexo com seu namorado, Conrado Pedroso, 18. "Eu achava a relutância de Edward e Bella em se entragarem aos prazeres da carne a coisa mais romântica do mundo", disse a adolescente, "mas foi só eu tomar uma bela duma trolhada que essa visão se foi".

Ainda retirando os pôsteres que cobriam as paredes de seu quarto e cancelando uma série de perfis fakes que mantinha dos personagens da série em redes sociais, Mayara explica que a epifania veio meio que por acaso: ela e Conrado eram virgens, mas faziam umas brincadeirinhas. "A gente foi ver Eclipse e depois tava no meu quarto, fazendo umas coisas e então uma parte dele começou a brilhar, como se fosse o Edward... Aí eu não aguentei, né?", conta.

"Ela sabia realmente fazer algumas coisas muito bem, foi só por isso que eu aturei essa merda de Crepúsculo por quase dois anos", confirma Conrado, "precisa ver, rapaz, dessa vez, quando ela terminou, parecia que tinha passado Tacolac, deixou o bagulho brilhando!" O rapaz diz que, por isso, esperava um pouco mais. "O trailer foi melhor que o filme, mano, se é que você me entende", diz, misterioso.

Mayara está convencida que encontrou seu grande amor e que ficará com ele por toda a eternidade. Ela não vê a hora de dividir seus sentimentos com Conrado, assim que ele entrar em contato. "Ele está muito ocupado com o cursinho, então ainda não deve ter tido tempo de retornar as ligações, SMSs, scraps e tuitadas que eu fiz", diz a menina, empolgada. Conrado garante que vai ligar, assim que tiver tempo.

*O LARANJAS não respeita o Estatuto da Criança e do Adolescente no que tange à proteção da identidade de menores, por ser um blog de notícias falsas e de jornalismo cretino e falacioso.

Um comentário:

Verônica Lemus disse...

"trolhada". sinal claro de que o Volps nem fez esforço pra que a declaração da estudante fosse, de fato, uma declaração feminina.
apesar disso, ótimo teixtu miiiigo!