terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

Editorial: Comprovada a existência do ponto G

Cientistas italianos anunciaram, na semana passada, a comprovação da existência do ponto G por meio de ultra-sonografias (leia a notícia completa aqui). A reação imediata aqui na sede do LARANJAS foi de empáfia e desdém, sendo que chegamos a levantar cartazes com a clássica citação "EU JÁ SABIA". Porém, após uma longa trocas de reminiscências acerca das mulheres às quais proporcionamos intenso prazer nestas férias (separadamente, pois não gostamos de práticas sexuais pouco ortodoxas), postamo-nos a analisar os pormenores dessa notícia.

A primeira coisa que percebemos foi o nome do suposto ginecologista italiano que liderou a tal da pesquisa: Emmanuele Jannini. Não queremos soar paranóicos, mas esse nome aliado ao óbvio interesse feminino na divulgação da pesquisa deixa claro que se trata de uma mulher. Ou duas. Ou várias. A conspiração fica ainda mais evidente pela escolha de um nome que remete diretamente ao onanismo, uma personagem expert na exploração do prazer de mulheres, homens e animais de pequeno porte.

Seguindo, uma indagação: como ninguém ainda tinha pensado em ultra-sonografia? O estudo anatômico está evoluidíssimo e, até hoje, nenhum cientista tinha chamado uma secretária a fim de estudá-la academicamente? Que tal, "ei, dona Lurdinha, venha até a sala de raio-x para que possamos avaliar melhor a parede interna de sua vagina"? Simples demais para ser ignorado! O LARANJAS imagina que só pode ter ocorrido um certo corporativismo de gênero dos cientistas, preocupados em negar esse velho mistério que é, ou era, o orgasmo vaginal feminino. Com o aumento de mulheres cientistas, talvez por cotas universitárias, era natural que elas voltassem suas pesquisas para áreas negligenciadas e pouco estimuladas pelos homens, como o ponto G. Há ainda a possibilidade de elas terem fingido essa pesquisa, mas não conseguimos perceber.

O que realmente nos incomoda é perceber como a mulher vem agregando valor à prática do sexo nos últimos anos, enquanto, nós homens, somos os mesmos macacos cretinos e simplórios há milênios. Até os anos 60, por exemplo, não sabíamos nem que mulheres sentiam prazer. Ninguém tinha nos avisado! Se uma mulher começasse a se contorcer ou revirasse os olhinhos durante o sexo, o marido (sim, afinal tinham que ser casados), atônito, chamava um padre para tirar o demônio do corpo da patroa ou, em tempos mais remotos, jogava-a direto numa fogueira. Aí determinaram que o tal do clitóris tinha alguma utilidade, abrindo caminho para a descoberta das preliminares. O tal do ponto G, então, sempre foi um mistério, não tinha sido comprovado, servia para que alguns homens justificasse sua inaptidão dizendo "tá vendo, você tem que parar de ler a Nova, você não tem ponto G, H, I ou porra nenhuma". Agora comprovam que ele existe. E nós homens? No que o sexo evoluiu para nós nos últimos anos, décadas ou séculos? Continuamos os mesmos trogloditas, com o mesmo instrumento de trabalho rudimentar de sempre, com os mesmo interesses sexuais básicos, só que temos que nos preocupar com um sem número de penduricalhos, botões e terminações nervosas das mulheres, que vão surgindo aos borbotões! E, repetindo, sem nada de novo na nossa ferramenta! O máximo que algum cientista nos informa, de tempos em tempos, é uma lista também infindável de coisas que podem prejudicar o desempenho do nosso bagulho. E são muitas coisas!

Chegou a hora de nós, homens, nos unirmos! Mesmo atletas sexuais como os membros do LARANJAS têm que se levantar e marchar com firmeza rumo aos buracos deixados pela comunidade científica! Nós também queremos notícias boas acerca da nossa genitália! Descubram alguma coisa que faz bem, porra! E nada de "comam de forma saudável", "bebam menos" ou "pratiquem mais esportes". Queremos coisas simples, como as notícias que as mulheres vêm recebendo, no mínimo, uma vez por ano! Só não venham com essa coisa de apertar botão, pode pegar mal.

9 comentários:

Gabriel Geller disse...

"Orgasmic *****" (The Sun)

"Una 'Carajada' de diversión" (Marca)

"Schumfreizen Frida Zeintz Urgstbei Frikadellen Fritz" (Bild)

Orrra, um dos melhores textos, com certeza tem calibre pra enfiar nos anais da medicina italiana!

Anônimo disse...

Ah! Então era o ponto G. Porra! EU JÁ SABIA! Mas fiel a causa laranjas me coloco a disposição para lutar em nome do pau, amém!!

mariana porto disse...

O ponto G de vocês, meus queridos, (segundo algumas leituras minhas) estaria localizado na próstata!
O problema é que ninguém aqui deve estar disposto a sacrificar o rabinho em nome do prazer, né!?
Agora me diz... que graça tem descobrir algo sobre os homens que vá além do bilau, se eles nunca terão presença de espírito suficiente pra experimentar?
Nós, mulheres, somos as únicas dispostas a provar as boas novas da ciência... Por isso é tão interessante para todo mundo fazer descobertas sobre nós! =D
Poxa vida, não reclamem da negligência científica em relação à vocês... Afinal, o instrumento pode ser óbvio, rudimentar e ultrapassado... mas é insubstituível!
Hauahuahauhauahuaha!!!

Fernando Silva disse...

Descoberta de outras zonas erógenas nos homens? Aposto que isso é uma conspiração gay para afirmar cientificamente que o sexo anal passivo faz bem. Prefiro continuar troglodita.

mariana porto disse...

Foi só uma brincadeira... Longe de mim fazer apologia ao homossexualismo masculino!
Sou muito mais os trogloditas mesmo! Afinal, não é muito do meu feitio fazer fio-terra...!

Fernando Silva disse...

Ah, bom! :D

Marcos Cabral disse...

"Eu já sabia!"

Grande Volpato... bom saber que o respeitável escritor e agora jornalista acompanha minhas nada respeitáveis histórias.. hehehe..

Abraço!!

Maria Luiza disse...

FUI OBRIGADA A COMENTAR

primeiro- porque o texto tá genial!
segundo- porque a Mari comentou com uma propriedade que eu tenho que invejar.

tenho que dar vivas ao Volps pela ousadia e pelo talento em escrever
e à Mari pelo papel de 'eu sei do que eu to falando'.

TOUCH AMIGOS, TOUCH!

Marcelo Andreguetti disse...

já dizia o grande passista Marcos Fuinha: "Desde os tempos mais primórdios, o caralho tá aí!"

Sem mais.